Pub

euro

A ajuda externa recebida por Cabo Verde caiu 26,6% no primeiro semestre de 2019, em termos homólogos, para 2.239 milhões de escudos (20,2 milhões de euros), essencialmente através de donativos em moeda estrangeira.

Segundo dados compilados pela Lusa com base no relatório estatístico de Setembro do Banco de Cabo Verde, este registo compara com os 3.053 milhões de escudos (27,6 milhões de euros) que o país recebeu, em ajuda externa, nos primeiros seis meses de 2018.

De acordo com o mesmo relatório, desde 2016 que o país não recebe ajuda externa na forma de donativos em alimentos. Contudo, Cabo Verde vive há dois anos uma profunda seca.

No primeiro semestre deste ano, mais de metade da ajuda externa recebida no primeiro semestre foi proveniente de governos “parceiros”, totalizando 1.258 milhões de escudos (11,4 milhões de euros).

As doações de organizações supranacionais ascenderam no mesmo período a 926,9 milhões de escudos (8,4 milhões de euros), um aumento de 13,2% face ao primeiro semestre de 2018, enquanto os donativos das organizações não-governamentais (ONG) representaram 36,6 milhões de escudos (331,3 mil euros), com transferências apenas no primeiro trimestre.

O essencial dos donativos atribuídos nos primeiros seis meses do ano diz respeito a divisas e ajuda orçamental, totalizando 1.945 milhões de escudos (17,6 milhões de euros), enquanto a ajuda em bens e outros equipamentos continua a ser reduzida, rondando os 293,5 milhões de escudos (2,6 milhões de euros).

A ajuda externa a Cabo Verde atingiu em 2018 os 5.644 milhões de escudos (51 milhões de euros), uma descida de 21,8% face a 2017.

O relatório do Banco de Cabo Verde não refere quais são os países doadores.

Um estudo apresentado no final de Julho, na cidade da Praia, concluiu que Cabo Verde perdeu subvenções internacionais e tem vindo a aumentar a sua dívida pública após graduar-se país de rendimento médio, em 2008.

O estudo foi apresentado pelo especialista português para o desenvolvimento Jorge Moreira da Silva, durante uma reunião dos Pontos Focais dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS).

O investigador, antigo ministro do Ambiente de Portugal e actual director-geral de Desenvolvimento e Cooperação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) começou por recordar que Cabo Verde graduou-se a país de rendimento médio numa altura em que decorria uma crise financeira global, o que afectou muitos países parceiros do arquipélago africano.

Com a graduação, segundo Jorge Moreira da Silva, aconteceu uma alteração muito significativa da relação dos doadores, em que não houve mudança do volume financeiro da ajuda ao país, mas transformou a natureza dessa ajuda, com menos subsídios, mais empréstimos e mais investimento privado.

Além disso, o estudo concluiu que com a transição de País Menos Avançado (PMA) para País de Desenvolvimento Médio (PDM) houve um sobre-endividamento, já que Cabo Verde perdeu acesso a algumas subvenções internacionais, passando a estar dependente de empréstimos.

Outra consequência da graduação foi uma alteração da composição de parcerias, com alguns “doadores tradicionais a afastarem-se gradualmente” do apoio a Cabo Verde, e novos doadores, como a China, com maior presença.

Inforpress/Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar