Pub

cecv

O Estado vai adquirir as acções da sociedade macaense Geocapital na Caixa Económica de Cabo Verde, cuja aquisição pela International Holding Cabo Verde, do empresário espanhol Enrique Bañuelos de Castro, chegou a ser aprovada pelo banco central.

No passado dia 3 de Maio, o Banco de Cabo Verde (BCV) informou que tinha aprovado a aquisição de participação de 27,44% das acções da Caixa Económica de Cabo Verde pela International Holding Cabo Verde (IHCV), considerando que esta garantia “uma gestão sã e prudente” da instituição.

Segundo o BCV, a IHCV comunicou a esta entidade, em Julho do ano passado, a sua intenção de “adquirir acções representativas de até 30% do capital social da Caixa Económica de Cabo Verde”.

Quatro meses depois, a GeoCapital – Gestão de Participações, do macaense Stanley Ho, comunicou ao Banco Central a pretensão de “alienar as acções” que compunham a sua participação qualificada na Caixa Económica de Cabo Verde, representativas de 27,44% do capital social desta instituição financeira.

Após efectuadas as diligências previstas na lei, o conselho de administração do BCV deliberou, durante a reunião da sessão ordinária de 21 de Dezembro de 2018, “aprovar a aquisição de participação qualificada correspondente a 27,44% das acções da Caixa Económica de Cabo Verde”.

Hoje, o Governo de Cabo Verde anunciou que vai realizar-se ao final do dia, na cidade da Praia, a assinatura do contrato de compra e venda das acções da Geocapital na Caixa Económica de Cabo Verde.

“A totalidade dessas acções, 27,44% do capital da instituição, vai ser adquirida pelo Estado de Cabo Verde”, lê-se no comunicado do executivo cabo-verdiano.

Segundo a mesma nota, “esta iniciativa do Governo enquadra-se no âmbito de transformar Cabo Verde num país plataforma de financiamento”.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Atento 08-07-2019 22:59
Deixa-me rir para não chorar.
Agora já não é "ROBE" aéreo. Agora já é Plataforma Financeira kkkkk, nhos brinca com dinheiro do povo.
Responder