Pub

 Olavo Correia 1

A ineficiência fiscal e a fuga aos impostos impedem a cobrança de 15 mil milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 136 milhões de euros) por ano em Cabo Verde, cerca de um terço da receita anual via impostos.

A informação foi avançada esta quarta-feira, 3 de abril, aos jornalistas pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, à margem da apresentação pública dos avanços na aplicação do Plano Estratégico do Desenvolvimento Sustentável (PEDS) Cabo Verde 2017 – 2021.

De acordo com o governante, são cobrados anualmente 43 mil milhões de escudos cabo-verdianos (perto de 390 milhões de euros) via impostos, mas existe um potencial de cobrança acima do que conseguimos cobrar hoje na ordem dos 15 mil milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 136 milhões de euros).

A falta de cobrança deve-se, sobretudo, à “ineficiência fiscal, gestão dos impostos, fuga, empresas que não fazem a declaração certa”.

Em Cabo Verde, disse o ministro, “a fraude fiscal envolve mais pessoas coletivas do que particulares, sobretudo ao nível das alfândegas”.

Olavo Correia adiantou ainda que existe, do ponto de vista do IVA, um “gap” (intervalo) de 40%.

“Temos uma margem para aumentar aí os impostos em quase 40% do que cobramos hoje”, disse.

O ministro defendeu uma “justiça fiscal” em que todos paguem.

“Estamos a 22% do Produto Interno Bruto (PIB) em termos de receitas fiscais. Podemos atingir os 30% do PIB sem aumentar a incidência”, explicou.

A ideia é “aumentar impostos em termos de cobrança sem aumentar a taxa de incidência fiscal, pelo contrário, diminuindo”, disse.

Olavo Correia recordou que o Governo baixou os impostos das pessoas coletivas de 25% para 22% e pretende “chegar aos 20% até ao final da legislatura e nos próximos cinco anos chegar aos 15%”.

Em relação ao crescimento da economia cabo-verdiana, o ministro congratulou-se com os 5,5% revelados recentemente pelo Instituto Nacional de Estatística Cabo-Verdiano (INECV), mas disse que está ainda abaixo da ambição do executivo.

“Queremos crescer a 7% para podermos duplicar o rendimento ´per capita´ numa década e isso é possível”, referiu.

E acrescentou: “Temos ainda restrições ao nível dos transportes aéreos, marítimos, financiamento, ambiente de negócios, gestão dos portos e aeroportos”.

“Quando fecharmos essas reformas, seguramente que passar de 5,5% para 7% vai ser muito fácil, sobretudo quando nos últimos dois anos estamos a viver anos de seca muito dura e permanente”, disse.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Osvaldo 07-04-2019 00:37
Este governo persiste ainda no cúmulo da estupidez de continuar no mesmo erro que o do PAICV ...
Responder
+7 # Mário Matos 04-04-2019 12:25
Esta peça faz lembrar aos desatentos as duras e sistemáticas críticas que o MpD, na oposição, fazia às medidas de combate à fuga fiscal, na governação do PAICV.
"Perseguição aos empresários" e "ser contra os privados" foram os "mimos" mais usados e, com vantagens eleitorais.
O sentido de Estado manda sempre não submeter determinadas decisões ou políticas públicas ao interesse eleitoralista tout court. Se assim não fosse, o governo de José Maria Neves não teria implementado a parte da reforma fiscal respeitante à introdução do IVA na vizinhança de eleições autárquicas.
Responder
+4 # Magaly 04-04-2019 11:02
Lamentàvel. Triste mesmo. Sobretudo sabendo o Pais que temos. No entanto, o Sr. Ministro deverà começar o saneamento em casa. Os ditos despachantes nas Alfandegas sao os grandes suceurs. Teem esquemas montados desde sempre onde o pagamento que deveria ir para o cofre do Estado vai parar aos proprios bolsos. É so reparar a riqueza que ostentam.
Responder