Pub
Por: D. Tavares

djudju1

Chála completou, ontem, mais um ano de vida.

Músico multinstrumentalista, foi dos que deram grande contribuição à música e cultura cabo-verdianas.

Ecce homo:

Marcelino Henrique Correia e Silva nasceu em Monte Sossego-ilha de São Vicente, no dia 11 de Fevereiro de 1950, filho de Henrique Lopes da Silva e Belmira Lopes da Silva.

Em 1952 mudou residência para a cidade da Praia.

Adquiriu paixão pela música atraído pelo irmão Manel Clarinete que o ensinou a tocar clarinete. Posteriormente aperfeiçoou os seus conhecimentos e passou a executar outros utensílios de palheta, como saxes alto, baixo, tenor e soprano. Revê-se, no entanto, melhor a si próprio como “clarinetista”.

chala

Chála iniciou a sua verdadeira carreira musical em fevereiro de 1969, na cidade da Praia, como elemento fundador do conjunto “Os Tubarões”. De 1970 a 1971, fez parte, em São Vicente, do agrupamento “Benitómica” integrado por Ti Goy, Natchatche, Piras, Djô de Africa Star, Oín, Lizardo e Knick. N Actuou com o conjunto “Os Leões” e, de vez em quando, substituiu o irmão Manel Clarinete n’“Os Apolos”.

No dia 27 de dezembro de 1974, partiu para Portugal para se juntar aos antigos companheiros e reorganizar "Os Apolos”, conjunto musical no qual viria a desenvolver toda a sua carreira artística.

Detentor de um estilo próprio de tocar, foi em parte a sua capacidade em conseguir excelentes arranjos musicais que contribuiu para o sucesso do grupo.

Apesar de ser conhecido mais como instrumentista, Chála possui, no entanto, muitas composições, a maioria gravada pelo conjunto "Os Apolos”.

Iniciou-se a compor em Cabo Verde, com letras a ostentar conteúdo de carácter politizado, defendendo ideais nacionalistas:

“(...)

Muitos anos vivemos

Debaixo deste jugo

Salazar, Caetano, Tomáz

Formavam um grupo maldoso

                                       (...)”

Diversificou-se posteriormente e passou a desenvolver nas suas canções temas relacionados:

- Com a saudade:

“N’ tem tcheu sodadi

Di nha terra Cabo Verde

N’ tem tcheu sodadi

Di nhas camaradas nhas amigos

(...)

N’ tâ lembra di trás di padaria Xicóti

Nu tá conta nôs parti

Pâ nu passá nôs tempu

N’ tâ lembra qués jogo na Argentina

Na qués tempo quente sem igual”

- Exaltação nacionalista:

“Nu bem djuda nôs governo

Na reconstrução di nôs país

Nôs terra é piquinoti

É nôs qui tem qui biral grandi

Nu cré na nôs Cabo Verde

Paz, justiça e progresso

Câ tem vitória sem luta

Câ tem esforço qui câ tem pag

Nu nassi pâ amâ nôs terra

Nu nassi pâ amâ Cabo Verdi

(...)”

E crítica social:

   “És holandeza na Lisboa

És câ ta sirbí pâ nada

Coitadu fidju parida

Qui s’ta na stranger

Sés mudjer tâ fica li

Só ta fazes partida

(...)

És terra câ s’tâ nada

É s’tâ na miséria

És s’tâ djobe sés bida

És câ mereci tchífri”

É ainda autor de várias canções a veicular somente melodia e por ele executadas em instrumentos de folgo.

Além do conjunto "Os Apolos”, Chála colaborou também com vários artistas e grupos musicais cabo-verdianos na gravação de discos, tendo integrado o conjunto “Voz de Cabo Verde”, em substituição do falecido Luís Morais.

Chála vive actualmente em Paris-França.

Comentários  

0 # ZÉ Boaventura 19-02-2019 10:33
Sempre fui o admirador dos seus trabalhos que nao so foram excellentes mas concretamente cheio de boas messagens positivas que honora grandement a nossa cultura.... Hoje, de saudade estamos, penas que ô contexto muda continualmente sem deixa-nos a passibilidade de revive... ParaBens Senhor CHALA e todos os outros....
Responder
0 # Chala C. SIlva 18-02-2019 19:33
Quero agradecer Santiagomagasine e ao autor D Tavares, pela excelente homenagem que me fizeram pela ocasiao do meu aniversario. Senti muita emoçao e grande prazer. Por isso quero deixar para vocês o meu muito obrigado e um grande abraço pela vossa gentileza. Chala Correia Silva
Responder
0 # Chala C. SIlva 18-02-2019 19:19
Quero agradecer ao Santiagomagasine. CV, e o autor D. Tavares à excelente homenagem que me fizeram pela ocasiao do meu aniversario. Senti muito emocionado e grande prazer. Por isso quero deixar para vocês, o meu grande muito obrigado pela vossa gentileza. Chala Correia Silva.
Responder
0 # Luiz Silva 17-02-2019 12:01
Na rua onde o Chala nasceu no Monte Sossego também nasceram os clarinetistas Luis Morais e Djosinha de Bernarda que tanto marcaram a musica e a cultura cabo-verdiana tanto em Cabo Verde como na sua diàs[censurado]. Um cidadao de fino trato que revela a educaçao do pai , NH^Henrique, policia, muito admirado e respeitado tanto em
Responder
0 # Maria Silva 14-02-2019 09:07
obrigada pela linda homenagem ao meu grande Tio Chala, um excelente musico, criador de muitas musicas lindas e um excelente ser humano. obrigada a Santiago magazine pela linda homenagem
Responder