Pub
Por: João Cardoso

 João Cardoso1

I

Era domingo, despontava o pôr-do-sol. Vi, de-mo-ra-da-men-te, na encosta uma NICOTIANA GLOUCA a brotar de Brancaflor a querer conquistar as dezenas e dezenas de milagrosos “aloés vera” plantadas, lá longe… escondia-se um malandro Sol no horizonte e a noite vinha-se aproximando. Nem tampouco, aqui e ali se previa a tempestade da luz do Sol.

(Que tanta loucura para a restaurada Quebra-Canela!)

II

Vi, também, de-mo-ra-da-men-te, da esplanada da praia de Quebra-Canela lindas donzelas de cintilantes nádegas ao léu desafiando as encrespadas ondas d’alvas espumas e uma única e verde NICOTIANA GLOUCA em flor, apaixonada carregadinha d’ais.

(Que tanta loucura para a restaurada Quebra-Canela!)

III

Caminhei pelo “calçadão” e vi muitos janotas, aos pares, a beijarem-se com o sabor do Sol e do sal da vida. Fiquei pasmado a ver, pro-lon-ga-da-men-te, as ondas e as bronzeadas nádegas tapadas com “trapinhos“ emprestados que fingiam que iam roubar os buracos aos caranguejos na calorenta tardinha de maré cheia.

(Que tanta loucura para a restaurada Quebra-Canela!)

IV

Fixei os olhos, re-pen-ti-na-men-te, numa esculpida pedra, pensei logo na tradição romana do “albolapillodiemnotare”. Aliviei-me profundamente.

(Que tanta loucura para a restaurada Quebra-Canela!)

V

Fez-se a noite. Simplesmente.

(Que tanta loucura para a restaurada Quebra-Canela!)

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar