Pub

Os trabalhadores cabo-verdianos vão receber menos 0,5% dos seus salários, a partir deste mês de Agosto. Assim de surpresa. Sem aviso prévio, sem alteração orçamental, sem qualquer cavaco. 

De repente o Governo faz agravar as contribuições para segurança social em 0,5% para os trabalhadores e 1% para as entidades patronais. É o que determina a portaria nº 27/2017, publicada no Boletim Oficial nº 43, Iª Série. Tudo para ajudar no pagamento do subsídio de desemprego. Ou seja trabalhadores e entidades patronais vão assumir os encargos financeiros do subsídio de desemprego. 

Esta medida entrou em vigor desde 25 de Julho, data da publicação da portaria, o que quer dizer que, neste mês de Agosto, os trabalhadores cabo-verdianos vão ficar mais pobres, porque vão ter menos rendimento disponível.

Com efeito, nos termos do artigo 2 da referida portaria, "a taxa global de contribuição para o sistema de protecção social obrigatória é fixada em 24,5% das remunerações devidas". Assim, a quotização a cargo do trabalhador passa para 8,5% - antes era 8% - e a contribuição a cargo da entidade empregadora passa para 16% - antes era 15%.

O Governo justifica este agravamento com a necessidade de se fazer frente aos encargos com a atribuição do subsídio de desemprego, instituído pelo Decreto-Lei nº 15/2016, de 5 de Março. No preâmbulo da referida portaria está registado que “é necessário adaptar o sistema de protecção social obrigatória à realidade e às necessidades dos nossos dias, mormente no que respeita ao alargamento do seu âmbito material, através da criação e atribuição do subsídio do desemprego, instituído pelo Decreto-Lei nº 15/2016”.

E acrescenta. “Com efeito, o alargamento ao referido facto foi aprovado no âmbito das políticas do Governo no combate a problemática da perda do emprego e suas consequências sociais, bem assim, visando a satisfação plena da missão e dos objectivos da protecção social consagrados a nível constitucional”.

Traduzido, o Governo quer tirar uma parte dos salários dos trabalhadores cabo-verdianos para, juntamente com uma parte das receitas das entidades empregadoras, enfrentar os encargos com o pagamento do subsídio do desemprego.

Ora, acontece que este agravamento provoca perda de poder de compra do trabalhador cabo-verdiano, sendo certo que a medida não vem acompanhada da actualização salarial, como, de resto, seria de esperar, tendo em conta o custo de vida no país.

O ano económico já caminha para o fim, bem como a execução dos orçamentos deste ano. Neste contexto, este agravamento pode baralhar as contas das entidades envolvidas no processo – empregados e empregadores.

É por demais evidente que o rendimento disponível do trabalhador cabo-verdiano - aqui traduzido em salário líquido - tem estado aquém das taxas de inflação verificadas nos últimos anos, apesar das suas variações.

Num quadro destes, a primeira medida que o trabalhador cabo-verdiano poderia esperar - isto também no quadro constitucional - era a correcção do fosso entre o salário líquido e o custo de vida, aqui entendido no seu sentido lato. No entanto, antes disso - e apesar disso - aparece mais encargos para agravar o seu rendimento, e logo, o seu consumo. 

Ficam, no entanto, excluídos desta medida, “as contribuições do regime dos trabalhadores por conta própria, bem assim, os demais regimes especiais que a lei não atribui o direito de acesso ao subsídio de desemprego”.

   

Comentários  

+1 # António 26-08-2017 15:21
ULISSES enganou os Caboverdianos. Disse que tinha contas feitas e SOLUÇÃO. Afinal...

https://youtu.be/HHar7RxOA0o
Responder
-1 # Adilson Tavares 24-08-2017 08:13
O Governo sabe bem o que decidir, mas acho e penso que ele tem de ser capaz de contribuir e estar a altura de promover o crescimento e nao o contrario.
Eu, Adilson, com a minha modesta educacao acho que o governo esta num bom caminho e devemos esperar e crer nas decisoes que o mesmo toma.
Para ser breve e sem querer atrapalhar o pessoal do governo, espero que saibam ponderar bem os interesses e as prioridades que cabo verde merece.
Precisamos realmente que trabalhar mais com qualidade e ser mais serios.
Responder
+1 # Nilton Cabral 23-08-2017 16:56
Se vai ter subsídio de desemprego terá que sair de algum lugar. Infelizmente é assim em todos os lugares. O título é tendencioso!!!
Responder
0 # Luís Carlos Silva 23-08-2017 14:42
Dizer que "Os trabalhadores cabo-verdianos vão receber menos 0,5% dos seus salários, a partir deste mês de Agosto. Assim de surpresa. Sem aviso prévio, sem alteração orçamental, sem qualquer cavaco" é no mínimo mal intencionado, pois este é um tema que está em debate no espaço público há quase dois anos. Dizer que é uma medida que não foi compartilhado é fraude, é falta de lealdade intelectual.

Mais uma vez volto a referir que temos de nos por a par das medidas e debater a virtude destas: somos ou não a favor do subsídio de desemprego? Somos ou não a favor da engenharia para o seu financiamento (com a participação do empregador e do trabalhador)?

A meu ver a medida tem virtude e se apresenta como um passo à frente na nossa organização social.

Ademais a um órgão de Comunicao Social que se quer credivel deve ter maior rigor no tratamento da informação pois caso contrário poderemos concluir que a intenção está longe da formação/informação que a deontologia impõe.
Responder
+1 # Denilson 27-08-2017 16:18
MUITO BEM DITO!!!
Responder
+1 # José Lopes 23-08-2017 10:05
A não socializaçõa da implementação desta medida tem um propósito: passar a ideia de que tudo está nas mil maravilhas com este governo
Responder
+1 # Janine 23-08-2017 00:42
Oh my God! Cuse ki nu faze pa merece es castigo lo.. Governo cuse ki ca podi assumi ,el ca deve pol na costa dos honestos trabalhadores. No tem ki cai na real,nos e um pais pobre nu.ca devi copia na kem ki tem. Haja saco! Reposicao do poder de compra dos CV e para quando? Onde esta a felicidade tao prometida?
Responder