Pub

 

Na sequências das suas declarações, segundo as quais a lei cabo-verdiana é amiga de armas, o Comandante Regional da Polícia Nacional (PN) no Sal, Elias Silva foi destituído de funções, tendo sido substituído pelo Comissário João José Teixeira, que vinha desempenhando as funções de chefe da secção fiscal na ilha.

Elias Silva fez essa comunicação hoje em declarações à Inforpress, devendo viajar para a Cidade da Praia, nas próximas horas, onde vai responder a um processo disciplinar.

A destituição do ex-comandante da PN, que vinha exercendo as funções, no Sal, há menos de um ano, vem na sequência das declarações que proferiu, recentemente, a propósito da onda de assaltos registados ultimamente na ilha do Sal, ao criticar a lei cabo-verdiana em vigência, dizendo que a mesma “é amiga das armas”.

Elias Silva fez essas declarações, mais precisamente aquando do assalto à mão armada na zona do Monte Leão, há já alguns dias, onde um jovem disparou contra um carro de turistas, e desde então “tudo mudou”, tendo sido alvo de retaliações por parte das autoridades centrais, devendo agora enfrentar um processo disciplinar.

Perante a situação, Elias Silva manifesta-se grato com a solidariedade que tem recebido da comunidade salense, da diáspora e mesmo de estrangeiros.

“Dizer à população do Sal que estou grato pela manifestação de apoio… mesmo que for preso vou continuar a defendê-la, no sentido de se melhorar a segurança nesta ilha, para que não seja vítima de onda de criminalidade a que se vem assistindo” desabafou.

Entretanto, reagindo às declarações do comandante da PN no Sal segundo as quais “Cabo Verde tem uma lei amiga das armas”, o ministro da Administração Interna declarou aos jornalistas que “polícia não critica Justiça”.

“Nesta matéria só tenho uma coisa a dizer: polícia não critica Justiça, não há mais nada a dizer, pois a instituição policial tem regras próprias as quais deve seguir…“.

Questionado se o Governo, já agora, prevê alguma mexida na lei que regula as armas de fogo, o ministro explicou que é necessário “separar as coisas”, pois não discute a aplicação da lei.

“Se for necessário alterar para reforçar alguns dispositivos o Governo assim o fará, e tem feito essa ponderação, o demais é o lado operacional da polícia que tem as sua regras próprias e a corporação sabe-o bem”, concluiu Paulo Rocha.

Com Inforpress

Comentários  

0 # Que tristeza! 20-04-2018 15:19
Dizer que Cabo Verde tem uma Lei amiga das armas, não é criticar a justiça. Pode ser criticar o Parlamento. Senti triste, pelo facto do Ministro não soube interpretar aquilo que disse o Comandante, isto é, este chamou atenção daqueles que fazem lei e não daqueles que fazem cumprir a Lei. Todos nós sabemos que as leis devem ser melhoradas, para que se possa punir com mais severidade os prevaricadores. É isto que o Ministro não quer? Senhor Ministro, o Comandante chamou atenção dos sujeitos parlamentares, no sentido de rever o castigo que deva ser atribuído aos utilizadores de armas de fogo.
Responder
+1 # Mr. Obama 18-04-2018 19:45
E assim se nasce o Terrorismo num Pais, quando não se pode expressar! democraticamente vem a revolta! Nhos ba ta brinca! Sera k nhos ta podi ku revolta di Sociedade! Nhos Continua! Ti Si Ki 1 Tem pa Fla! Mi como 1 Ex Policia ta apoia palavras di Sr. Elias Silva!
Responder
+1 # Elvis Marques 18-04-2018 19:40
Senhor Elias alem de ser policia el e um cidadão dum pais ktem liberdade de expresão achu eu, portantu el fla dentro dum direito ktem tudu cidadão cabuverdiano . A pergunta e será que a partir de agora si nu reclama ma algum cosa ca sta dret nu ta ser preso tb so por mostra kno ca sta diacordo com injustiça??
Responder
0 # João Monteiro 18-04-2018 11:53
Sera k si um cidadão sivil sima mi sim sitaba quel fraze la es ta detem e pa td alguém fica calado cu ses porcaria de justiça ca nhos sai nhos bai djob fidjos de coitado que furtado nhos fica so ta fica ta cansa quenha que sa faze alguns critica pa milhoras de pais que debia trado de se cargo e nhos que sa poi bamdido cada ves mas força de faze [censurado]
Responder
0 # Trick Barros 18-04-2018 10:59
Nha kentis keli é um tristeza ki tipu di pais ki nu sta nel, ki ninquem ka podi papia verdadi na propi pais nada kumandanti ka fla, kusas ke fla é verdadi ki tudu kabu berdianu sabi me verdadi. Ulisis toma kuidadu ku kes tipu di disizom pamodi pais sa ta paga ku kes omi frenti di partidu ta refleti na bu trabadju...
Responder
0 # mario amado 18-04-2018 10:52
DJA NU ENTRA NA LEI DE CURUPTOS ,EL E UM POLICIA MAS TBM E UM CIDADAO KI DJA CANSA KU [censurado] DE LEI DE [censurado] KI PARI KES MOCA MAE DE POLITICO CORNUDOS DE [censurado] SO FIDJU [censurado]S E CABRAOS POLITICO DE CV E SO MOCA SES MAE [censurado] KI PARI NHOS CORUPTOS DE [censurado]
Responder
+1 # Viviane Andrade 17-04-2018 19:51
Parabéns ao Snhr comandante. Simplesmente pergunto onde está a democracia no nosso país?€será que falar uma simples verdade implica a isso? Isso simplesmente é uma vergonha para o nsso país. Qd estivermos sem turistas é que pensem tomar medidas sérias para o melhoramento da segurança? Até que ponto isso tem que chegar para se ouvir a voz da razão? Isto é vuma vergonha, os Snhrs politicos deveriam ver isso com olhos de "ver" cabo verde precisa de mais segurança sim senhor. Povo nhos abri odjo pah...
Responder
+3 # Daniel Carvalho 17-04-2018 19:47
Independentemente de estar ou não de acordo com Elias, as pessoas devem saber que entre criticar uma lei e criticar a justiça vai uma longa distancia. Ainda mais num país de quinhentos e tal mil habitantes, centos e tal mil processos crimes a dormir das procuradoras e nos tribunais das comarcas.
Mas Elias foi meu instrutor militar nos idos anos oitenta, conheço mais ou menos o temperamento dele. Sei que é um homem valente que qualquer um não lhe consegue incomodar, e muito menos meter medo. Contra mordaças, viva liberdade de expressão.
Responder
0 # P. Silva 19-04-2018 13:15
Um país democrático só quemtem direito de esprecáo são os ladrões e os schulos do governo.
Os donos da nossa terra andam a brincar mas algum dia isso vai espludir
Responder
+1 # Augusto Borges 18-04-2018 12:17
Só podíamos falar em liberdade de expressão se o Comandante da Polícia não fosse destituído do cargo pelo facto de ter dito que a lei cabo-verdiana é "amiga das armas". Neste caso acho que não é razoável dizer "viva liberdade de expressão", quando uma autoridade nossa é castigada pelo facto de ter exprimido o que pensa. Há que clamar pela liberdade expressão aludida na CRCV.
Responder
+1 # António Mendes 17-04-2018 13:33
Por expressão de opinião activa tão salutar para a democracia, o cidadão-comandante, Elias Silva vai levar um processo disciplinar na cor[censurado]ção policial nacional de Cabo Verde. Em face a tamanha aberração administrativa, tem havido manifestação de apoio e solidariedade por parte de pessoas. Mas o certo é que o comandante Elias está sendo castigado por exercício de expressão de opinião e o e o apoio que recebe dos indignados é tão somente de índole moral contemplativa e tão "amigo do exercício abusivo do poder ".
Responder
+1 # SÓCRATES DE SANTIAGO 17-04-2018 11:40
Meus Deus! Que enorme aberração! E quando é que se demite o Senhor Ministro da Administração Interna, Paulo Rocha? Arrogante, incompetente e negligente, que anda a fazer este senhor no Governo da República?
Responder
+2 # Terralonge 17-04-2018 09:45
Pachencha, tàmbi. Forte abuso de poder por parte de Paulo Rocha. Afinal, nesta terra não se pode falar da VERDADE? É assim que se combate a Criminalidade? É a lei da ROLHA? Onde estamos?

Mas é a Rabentola, vão rabentolando até ficarem reduzidos a CINZA
Responder
+1 # Ditadura a caminho 17-04-2018 09:15
MAS, SERÁ QUE ESSE COMANDANTE DISSE ALGUMA INVERDADE? AGORA QUEREM AMORDAÇAR OS CIDADÃOS CABOVERDIANOS? Por estas e por outras é que ocorrem golpes de Estado na África ....
Responder
0 # apartidário 17-04-2018 08:45
Começou a caça às bruxas dentro da instituição policial caboverdiana, depois das primeiras ameaças feitas pelo 1º Ministro após as greves realizadas pelos profissionais meses passados.
Responder