Pub
Por: Osvaldino Semedo

 

Excelentíssimo Senhor Presidente da República de Cabo Verde

Dr. Jorge Carlos de Almeida Fonseca

Assunto: Uso abusivo dos parcos recursos do estado de Cabo Verde.

Excelência,

Eu, Osvaldino Admilson Tavares Semedo, mcp Zidane, maior, cidadão Cabo-verdiano, em pleno gozo das minhas faculdades mentais, mas também dos meus direitos civis e políticos, apresentar ao conhecimento do senhor, o mais alto magistrado da nação, os seguintes episódios, que considero abusivos:

Vivemos num país que o orçamento de estado só é possível desta forma, como sabe e bem, com ajuda de parceiros internacionais;

Vivemos num país onde os digníssimos representantes do povo auferem mais de trinta ou quarenta vezes o salário mínimo nacional;

Vivemos num país onde as câmaras municipais, tem como principal actividade a compra de viaturas topo de gama, que cada dia gasta só em combustível cerca de 4 mil escudos;

Temos situações em que há câmaras municipais, exemplo da Praia, com mais de sete ou oito toyotas prados;

Senhor presidente da República, vivemos num país onde pessoas mal conseguem três refeições diárias. Pessoas que vêem o céu de dentro das suas "casas";

Senhor mais alto representante do estado, ninguém mandou "votou" no sentido de os deputados, vereadores, presidentes de câmara, ministros, e outros tantos, no sentido de usar e abusar dos recursos parcos do estado;

Senhor presidente, é inconcebível a falta de resposta das crianças e pessoas desaparecidas;

Meu caro, é intransferível a atribuição do estado, no sentido de deixar os estudantes do ensino secundário e superior a Deus dará, na perspectiva de transporte escolar e propina;

Distinto, os políticos neste momento não devia estar a receber este balúrdio, pois acredito que a produtividade neste momento está muito abaixo dos salários e regalias que auferem;

É extremamente vexatória ver crianças com cinco anos a desfilar nos jeeps do estado nas portas da escola, quando os seus colegas sequer tomaram o pequeno-almoço;

O número de deputados deve diminuir consideravelmente, pois temos deputados a mais, e produtividade a menos (alguns casos);

Meu ex professor de direito, como conhecedor do direito e se calhar melhor conhecedor do direito penal que muitos, sabe perfeitamente que muitas das situações denunciadas constitui claramente, corrupção;

Será que o presidente não vai liberar a juventude da escravatura do desemprego a que está sendo submetida, pelas políticas segregacionistas e pejorativas materializadas pelo governo e pelas câmaras municipais?!

Será que só os jovens, homens e mulheres devem sentir que o país é pobre?

Nunca mais teremos o mérito como bandeira na administração pública directa e indirecta do estado?

Continuaremos sem serviços de inspecção para fiscalizar o trabalho precário e falta de segurança no trabalho, mas também assédio moral?

Os doentes não têem direito a serem tratados com dignidade, imperativo constitucional?

Será que estes políticos da nossa terra já deram prova de alguma coisa a ponto de usarem e abusarem das limitações do nosso país?

Será que os camponeses não terão direito a sua gota D'agua?

Será que os pais das crianças desaparecidas não têem direito de conforto?

Será que nós jovens somos úteis só para votar e servir de escadas para políticos corruptos e incompetentes?

Será que Cabo Verde ainda é ou já foi melhor governado da África, ou será falta de denúncia e medidas?

Escrevo, porque já estou farto de ver o país a deriva.

Serve esta explanação para caso queira um futuro melhor para todos nós, mudarem de paradigma.

Obs: o único país do mundo que sobe o preço da importação do leite e não das bebidas alcoólicas é Cabo Verde!

Com conhecimento 
do: PGR
TC
PAN
Provedor de justiça
Presidente do PAICV
MPD
UCID
PTS
PP

Assino.

Osvaldino Semedo

Cidade da Praia, 31 de Maio de 2018.

Comentários  

0 # CORREÇÃO 02-06-2018 10:29
Komentarista David,
Kalegrafia ker dizer "ESCRITA À MÃO" ou com a caneta.
Filismenti bu skrebe na kriolu, pamodi si era na purtuges, bu ta poba telemovel ta splydi-m na mo.
Responder
0 # Hirondina Morais 02-06-2018 09:18
Meu caro Osvaldino Semedo, concordo com tudo e assino em baixo.
O senhor foi muito bem claro ao descrever muito os pontos criticos que se esta a acontecer no nosso pais.
É lamentavel ver o nosso Cabo Verde a se afundar dia por dia.
Lamentar os jovens recém formados querendo integrar nas campanhas politicas a tentar conseguir um posto de trabalho, pois isto só é feito se pertences a um cor politico ou sendo filho afilhado sobrinho ou amante dos mesmos.
Que rumo triste que o nosso pais está.....
Sr Presitente da República queremos trabalhar ter um salário que possamos pagar as nossas despesas penso que não estamos a pedir muito.
Responder
-1 # David 02-06-2018 08:33
Pa n sa odja munti di nhos ta kritika kaligrafia di es rapaz li ma di nhos tanbe ka sta grandi kuza.
Parabéns joven pa bu koragi
Responder
-2 # Titi 01-06-2018 19:30
Muitas repetições, muitas ideias dos outros, muitos deja vu de quem nao quer trabalhar.
Responder
0 # Guilhermina araujo 01-06-2018 16:39
Como fiquei satisfeita em saber que estão com jovens reivindicadores!
Jovens, o nosso País só pode sair desse ciclo, vicioso com a vossa força.
É verdade já é tempo de mostrar o vosso descontentamento. Afinal as próximas gerações estão todos endividados, por culpa desses irresponsáveis que não estão a ver para além dos seus umbigos. Basta de injuriar o povo. Não podemos aceitar corruptos e corrompidos. Estes tipos de malfeitores já entraram em todas as instituições seja ela política Administração e outras. Vou deixar uma frase muito sábia, Meus amigos corruptos e corrompidos não esqueçam que vão ter que resgatarem tudo e todos que já fizerem e o que estão a fazer. Fazer chorar e dar fome o povo é o vosso débito...!!
Responder
0 # Djosa Neves 01-06-2018 14:10
Eu cá por mim, acho que Cabo Verde deveria ter o Instituto do Euromilhões e todas as semanas jogar forte e feio para arrecadar os prémios. Isso sim , seria optimo, não teriamos que trabalhar, suar, construir e edificar; Passariamos diretamente para o que de melhor sabemos fazer: Culpar terceiros dos nossos pecados, falar mal sem nada fazer e principalmente falar á TOA e de preferencia da vida alheia, substituir o INE pelo INI (Instituto Nacional da Intriga), incrementar a cirurgia para adopção oficial da lingua bifida. substituir o portugues pelo crioulês sem regras, oficializar o FRADU FRA e a paródia como actividade economica principal.
Responder
-1 # Apuleio Barabás 01-06-2018 13:51
Sr. Daniel, Sr. Daniel, cuidado com a defesa da mediocridade. A escrever assim nem Arménio nem Germano teríamos. Eu não conheço o Sr. Daniel, mas vi qualquer coisa num comentário algures que o atribui categoria de jurista. Então, então...
Responder
0 # Cidadao 01-06-2018 12:02
Ja se pode falar em turismo politico em Cabo Verde aainda a dias uma comitiva do Sr.PR esteve em Monaco a ver lagartos de Cabo Verde no vitrine do principado...viagem e bom mas pa trazi resultados oalpavel q ta sirvi tudo alguem e nao bai so troca impresoes cumi bebe e tira foto e odja lagartos
Responder
+2 # António Mendes 01-06-2018 11:25
O que importa, neste caso, é o conteúdo e não a forma. O articulista fez o bom uso do seu direito e dever de cidadania. Os puristas lusitanos deviam fafer o mesmo no seu bom português e não ficarem só na correção dos escritos e publicados.
Responder
0 # CORREÇÃO 01-06-2018 10:00
Realmente a palmada pideria ter apanhado más bedju se a linguagem fosse tecnicamente melhor elaborada.
E após a morte desta, o funeral aconteceu quando o articulista deixou perceber que é jurista ou aluno de Direito.
Mas o texto em si é meritorio, corroborado com a coragem de assumir a identidade, plasmando a sua foto e assinando por baixo.
Mas o Sr. Presidente não lhe irá responder.
Não e o seu hábito
Responder
0 # David 03-06-2018 14:41
Realmente a palmada poderia ter apanhado más bedju se a linguagem fosse tecnicamente melhor elaborada.
Após a morte desta, o funeral aconteceu quando o articulista deixou perceber que é jurista ou aluno de Direito.
Mas o texto em si é meritório, corroborado com a coragem de assumir a identidade, plasmando a sua foto e assinando por baixo.
Mas o Sr. Presidente não lhe irá responder.
Não e o seu hábito
Toma nota: Correção
Responder
0 # Elisio Semedo 01-06-2018 22:17
E quantos jovens teriam a mesma coragem de exercerem os seus direitos? O fez com respeito e consideração. Todos os jovens terão sempre o meu apreço. Basta haver respeito e consideração, os nossos jovens podem e devem fazer—se ouvir. Isso eleva a nossa cultura democrática.
Responder
+1 # Daniel Carvalho 01-06-2018 09:03
Não se importe com o nível da linguagem. Continue a expressar o que lhe vem na alma.O prémio Camões ainda apenas coube aos Caboverdianos Arménio Vieira a Germano Almeida. Parabéns aos dois.
Responder
+1 # Santos 01-06-2018 07:19
Excelente, devias apontar o dedo ao presidente da república que passa a vida a viajar sem nenhuma utilidade para país, na verdade somos o país do mundo que faz mais despesas com políticos/percapita, há políticos que vivem nas suas casas e recebem do estado 70 mil escudos afora o pagamento de energia, água, telefone isso é um absurdo, para quando uma revolução neste paía, os jovens estão a ser intertidos com festivais alcooliamo e drogas
Responder
0 # Apuleio Barabás 01-06-2018 00:23
Estou de acordo consigo que abusa de recursos do Estado, neste país que passa a vida a estender a mão à solidariedade internacional. Muitos que nos ajudam não fazem uso tão abusivo dos seus próprios recursos. Os parasitas costumam ser muito mais vaidosos do que os produtores. Também devia desmascarar excesso de viagens completamente improdutivos de alguns membros do Governo. Há dias alguém inseriu um comentário em que dizia que o ministro da cultura de cabo verde viaja mais que todos os ministros de relações exteriores e da cultura da União Europeia, CPLP e o resto do mundo juntos. Eu não fiz as contas, mas que o fandango viaja todos os dias, ele viaja. para fazer o quê? Ninguém sabe. Talvez o gajo seja mação ou trabalhe para CIA ou KGB. Apoio a substância do seu artigo. Pena é que a sua escrita em português não foi a melhor. Devia consultar alguém antes de se dirigir ao mais alto magistrado da nação, num português assim-assim. A própria redacção do jornal podia ajudá-lo. Para uma questão tão séria e grave, a perfeição no dizer ou denunciar deve ser a pedra-de-toque. Seja como for a sua ousadia deve ser enaltecida. Parabéns!
Responder