Pub
Por: Aquim Cubano

Esta pergunta deve apoquentar a todos os residentes em Santiago Norte, uma região com cerca de 122 mil pessoas e composta por 6 municípios. E a resposta, entre muitas, pode ser esta: o desporto está manco, coxo, sem norte para norte.

Uma outra pergunta afigura se me importante: de quem é a culpa? Não é fácil responder a esta questão, sobretudo porque a culpa aqui pode ter vários donos, a começar pelas autoridades locais, centrais, associações da sociedade civil, empresas, pessoas individuais… enfim, desportistas… a culpa aqui pode ser colectiva, embora há quem seja mais culpado que outro, em função das responsabilidades públicas e sociais que tem.

Pessoalmente sei como é difícil estar à frente de uma equipe ou de uma associação sem meios para andar, para realizar as suas actividades, por mais básicas que forem. Lembro-me da minha passagem pelo Scorpion e como era difícil encontrar um patrocinador para adquirir uma bola ou um par de equipamentos… o calvário que eram as diversas tentativas sem obter uma resposta positiva.

Quantas vezes, a resposta vinha de socapa: “o nosso foco é a selecção nacional”. Quantas vezes o bancos diziam “o nosso foco é o ambiente, já não temos meios para o desporto”. Nas seguradoras a mesma coisa. Nas casas comercias mesma coisa.

E o Governo, a quem normalmente é reservado um papel mais conciliador e onde se deposita mais confiança, responde, taxativo, “não apoiamos associações, mais sim a FCF”.

As Câmaras Municipais, estas que embora próximas das associações desportivas, não passam, entretanto, de parente pobre do poder em Cabo Verde, umas com muito esforço e sagacidade deixam cair uns míseros 5 mil escudos, outras nem isso.

E assim vai, com tudo centralizado na Praia. Os jovens de Santiago Norte sofrem na pele esta discriminação. A causa do desporto é uma causa de todos. O desporto contribui de uma forma incondicional para uma sociedade mais equilibrada, justa, unida e forte. E Cabo Verde é um estado unitário, onde todos se vinculam aos mesmos direitos e deveres. Ninguém está acima de ninguém e nenhuma região, ilha ou autarquia é mais importante que a outra

A saúde mental e física dos jovens e da sociedade em geral tem no desporto, e no futebol particularmente, um dos seus parceiros mais importantes. Há uma relação de interdependência entre o equilíbrio social e o desenvolvimento do desporto em todas as suas dimensões e valências.

Por isso, senhor presidente da FCF, Santiago Norte anseia por mais respeito da sua parte, em prol de uma sociedade sã e equilibrada. Senhores presidentes das 6 Câmaras Municipais da região, o desporto em Santiago Norte merece um bolo maior dos orçamentos municipais. O senhor ministro do Desporto, que é filho da região, precisa dispensar mais atenção ao desporto em Santiago Norte, em prol de mais igualdade e oportunidade para os jovens.

Por uma razão simples meus senhores: Porque a culpa desta situação não há-de morrer solteira!

Porque, o desporto é tão digno quanto o saneamento, o comércio, o abastecimento público, sendo uma necessidade básica como qualquer outra.

Comentários  

0 # Anastácio da Veiga 05-02-2018 13:31
Todos que passaram por situações desta natureza têm esta sensibilidade, pena que nem todos sabem como funcionam as associações desportivas de Cabo Verde, particularmente as de Santiago Norte. Parabéns, colega. Resta agora a resposta.
Responder