Pub

 

Este ano não haverá a cerimónia de deposição de coroa de flores no monumento Amilcar Cabral. Direcção geral do Protocolo do Estado diz que não vai ser possível porque está a decorrer no local umas obras da Câmara Municipal da Praia. Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, lamenta esta postura do Governo em relação ao Dia dos Heróis Nacionais.

Em declarações à imprensa à margem de mais um acto da Semana da República que culminou com um debate sobre os heróis nacionais, cuja data se comemora neste sábado, 20, Jorge Carlos Fonseca disse “estranhar” a não realização da cerimónia de deposição de flores no sítio onde se ergueu o monumento a Amílcar Cabral, considerado o pai das independências da Guiné e de Cabo Verde. 

“Como se sabe, é uma cerimónia realizada pela direcção geral do Protocolo do Estado a que sou convidado a presidir e recebi uma comunicação de que não seria possível porque estão em curso no local obras da Câmara Municipal da Praia”, precisou o Chefe de Estado, acrescentando que ainda pôde perguntar a uma das suas colaboradoras se não havia outra alternativa no sentido de se realizar o acto.

Jorge Carlos Fonseca asseverou aos jornalistas que, a convite da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), vai estar presente num acto a ter lugar neste sábado na Biblioteca Nacional, mas que não sabe se haverá algo semelhante que substitua a cerimonia de deposição de flores.

Instado se não se podia programar as obras, de modo a não interferirem com a cerimónia que se realiza todos os anos no referido local, Fonseca respondeu: “Eu presumo sempre que as pessoas têm boas intenções. Não posso presumir que nenhuma entidade pública ou privada faça as coisas com má intenção. Posso admitir que pode haver falhas e que se pudesse encontrar alternativas”.

Confrontado com a opinião de alguns jovens presentes de que não tem sido dada a devida atenção ao Dia dos Heróis e, também, data do assassinato de Cabral, o mais alto magistrado da Nação reconheceu que se pode “dar mais atenção”.

“Em Cabo Verde, se se perguntar às pessoas em relação a outros eventos, como o 13 de Janeiro, acham que não se dá muita atenção. Outras acharão que se dá pouca atenção ao 5 de Julho (dia da independência do arquipélago) e há ainda aqueles que acham que quase nos esquecemos dos claridosos”, exemplificou o Presidente da República, acrescentando que é um “bom sinal de que estamos sempre insatisfeitos com aquilo que fazemos”.

Para o Chefe de Estado, o 20 de Janeiro é o dia em que se recorda de um conjunto de pessoas que, representando as “aspirações profundas do povo de Cabo Verde, conseguiram com muito sacrifício pessoal e muita tenacidade e determinação, superar a situação a que o país estava submetido, que era uma colónia portuguesa”.

“É a sétima vez que comemoramos o 20 de Janeiro, dando-lhe a designação de Semana da República. Procuramos, pedagogicamente, fazer as pessoas ver que temos uma história. A história tem momentos mais altos e menos altos”, considerou ainda o Presidente.

Por sua vez, o presidente da ACOLP, Carlos Reis, acredita que a ausência da cerimonia oficial do acto de deposição de coroa de flores se deve a uma “falta de programação e de pensar as coisas com a antecedência necessária”.

Perguntado se concorda com a justificação apresentada pelo director geral do Protocolo do Estado, Carlos Reis, disse que a “pergunta é boa”, mas prefere não respondê-la.

Com Inforpress

Comentários  

0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 21-01-2018 13:01
O Governo da República, suportado por MPD e a própria Presidência da República não têm respeito nenhum pela figura de AMÍLCAR CABRAL e pela data 20 de Janeiro. Como não estiveram no mato com armas na mão (muitos deles nem o 6-35 sabem manejar) acham que Cabral e 20 de Janeiro são coisas dos camaradas/comunistas do PAIGC/PAICV e que isto não tem nada a ver com a DEMOCRACIA. O próprio monumento de Amílcar Cabral foi construído, a título de "tchokota" , num local impróprio-a zona de Taiti (baxu-praia), sem visibilidade nem brilho. Pela importância e estatuto de AMÍLCAR CABRAL, o nosso herói-mor, a estátua dele deveria estar nessa zona nobre do Plateau, ao lado do Diogo Gomes e não escondida ali meio da floresta de Taiti, a zona verde da Praia. Fica aqui expresso o meu protesto, a minha revolta.
Responder
+1 # Elisio Semedo 20-01-2018 23:02
Uma pessoa pode falhar mas qdo várias instituiçoes falham isso passa a ter uma outra interpretação. Apenas digo, foi inconcebível. Falha nunum dos eventos políticos mais importante do país?! Fica o meu sinal de protesto. Todas essas datas consagradas sao importantes para CV e para os cv's. Nao perdoo ninguem que de forma consciente e deliberada ignora ou assume uma data c.omo se fosse a unica que existe ou que serve.
Como cidadao nao vou perdoar. Esta data ficou profundamente manchada assim como tantas outras no passado.
Responder
0 # Antonio Delgado Mati 20-01-2018 21:04
é uma grande vergonha a naçâo Caboverdiana.Isto so acontece na mente de Homens que nada conhecem da Historia .é lamentavél
Responder
0 # djimbo 20-01-2018 18:47
Sempre disse que pelas andanças que vim assitindo ainda vamos começar a cantar de novo.

"Heróis do mar, Nobre Povo da Nação valente, Levantai hoje de novo"?

Esta é uma Hipocrisia dos nossos políticos e Governantes achar que a não comemoração do dia dois heróis nacionais e recordar a morte do nosso glorioso Amílcar Cabral vai fazê-lo cair no esquecimento ou melhor poder-se rasgar a Historia.

Ou melhor, acho que não vamos poder cantar Heróis do mar pelo incidente da venda do terreno na Praínha.

Viva dia dos heróis nacionais
Viva Amílcar Cabral
Responder
0 # amilcar ventura 20-01-2018 14:14
Uma Vergonha.
Responder
0 # amilcar ventura 20-01-2018 14:13
Como pode ser isto possível. Uma Vergonha.
Responder
0 # Regabof - O. C. 19-01-2018 22:55
Ë teatro do Jorge Carlos Fonseca. É combinação.
Responder
+1 # Maria Tavares 19-01-2018 22:43
MPD é um partido rancoroso e perseguidor. Por isso é que boicotaram a cerimónia de coroa de flores. Falta de sentido de Estado, birra infantil e desrespeito pelos heróis nacionais. Vai ser assim. Só perseguição.
Responder