Pub

alex

Empresário colombiano Alex Saab denuncia esta quarta-feira, 2 de setembro, em carta citada pelo El Mundo que “os Estados Unidos têm quatro empregados naturais de Cabo Verde” que o estão a torturar na prisão, onde está detido.

"Os Estados Unidos têm quatro empregados que entram na minha cela todas as noites e me espancam para que faça declarações falsas contra [Nicolás] Maduro”, de acordo com a carta enviada por Saab da sua cela e à qual o jornal espanhol teve “acesso em exclusivo”.

Alex Saab, 48 anos, foi detido em 12 de junho pela Interpol e pelas autoridades cabo-verdianas, durante uma escala técnica no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, com base num mandado de captura internacional emitido pelos Estados Unidos da América (EUA), que o consideram um testa-de-ferro do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

"Sou um enviado especial da Venezuela à Rússia e ao Irão, tenho imunidade diplomática e exijo a minha libertação", insiste o empresário colombiano.

Alex Saab afirma que "o objetivo destes criminosos", os alegados quatro homens que o torturam, "é que ele assine a sua extradição voluntária para os Estados Unidos”, assim como que faça declarações falsas contra Maduro.

O colombiano assegura que "nem com sangue" está disposto a "assinar essas mentiras e calúnias contra um Presidente que luta para salvar o seu povo no meio de um bloqueio desumano".

O Governo norte-americano de Donald Trump acusa Saab de ter branqueado 350 milhões de dólares para pagar atos de corrupção que atribui ao Presidente venezuelano através do sistema financeiro dos Estados Unidos.

"Sou diplomata desde abril de 2018, como enviado especial da Venezuela à Rússia e ao Irão, com imunidade diplomática e exijo a minha libertação imediata", reitera o detido.

Alex Saab sustenta que foi "arbitrariamente detido em Cabo Verde e retirado do avião privado em que viajava": "Fui torturado durante dois dias com o objetivo de assinar declarações e recusei", afirma.

O empresário assegura que “ia ao Irão numa visita oficial à procura de alimentos, medicamentos e gasolina para aliviar uma crise agravada pelo Império".

"A gasolina chegou à Venezuela, como todos os meios de comunicação social anunciaram, despertando ainda mais o ódio dos Estados Unidos", realça o empresário colombiano de origem libanesa.

A defesa internacional de Alex Saab, que inclui o escritório de advogados do ex-juiz espanhol Baltasar Garzón, defende a "completa falsidade" das acusações dos EUA, que acusam de violar o "princípio da lealdade criminal" nesta matéria.

O advogado também nega que Saab tenha colaborado com as autoridades americanas, fornecendo qualquer tipo de informação e defendem que Saab é um cidadão venezuelano e "agente" do Governo que estava "em trânsito" em Cabo Verde para regressar ao seu país.

Com Lusa

Comentários  

+1 # JpB 03-09-2020 12:06
CASO ALEX SAAB:UMA BOTA DIFICIL DE DESCALÇAR!

Fica-se com a impressão de que o Alex Saab está a ser julgado numa primeira instância em Cabo Verde ,para ser depois extraditado e condenado nos EUA.
As autoridades governamentais caboverdianas não mediram as consequências da intromissão num assunto tão delicado, querendo mostrar serviço aos EUA e agora estao perante uma bota difícil de descalçar.
Responder
+4 # Democracia sou eu 03-09-2020 07:58
Há muito tempo que estamos a ser torturados em Cabo Verde com os artigos dos empregados dos states, o sr. maika lobo, casemiro de pina, jornal desprezo das ilhas e olavo de carvalho. Todos defendendo interesses estrangeiros contra cabo verde. Quando é que seremos libertados?
Responder
-4 # Jóia 03-09-2020 06:59
Dezenas de opositores políticos de Maduro que tinham sido consecutivamente torturados nas masmorras da Venezuela, conforme informações fidedignas das mesmas Organizações Internacionais que Baltasar Garzón e José Manuel Monteiro ameaçam Cabo Verde agora, foram postos em liberdade. Bastante estranho este acto de um ditador comunista.
Talvez com a prisão do seu testa de ferro Alex Saab a consciência de Maduro falou um pouco mais alto e como exemplo para Cabo Verde onde felizmente os presos não são torturados como na Venezuela, resolveu amnistiar os mesmos.
Responder
+3 # Daniel Carvalho 02-09-2020 21:12
Tudo vai ficando cada vez mais complicado para entender e tentar adivinhar o desfecho deste caso, ainda insólito entre nós.
Responder
+1 # Imagina! 02-09-2020 20:53
Piada.
Fake News.
Guerra nos mídia. Nenhuma carta saiu da prisão, apenas da imaginação. Não acreditem!
Responder
-2 # toto 02-09-2020 20:36
Estranho q os "americanos " espanquem u homem e deixem passar carta !!
Responder
+6 # cristalino 02-09-2020 20:30
Dentro do princípio de presunção de inocência e tendo em conta que o homem não cometeu nenhum crime em Cabo Verde, o sr alex saab deveria aguardar em domicílio o desenrolar do processo de extradição, ainda que com vigilância policial.
Até porque há duas decisões possíveis por parte dos tribunais caboverdianos: 1) ele não ser extraditado; ou 2) ele ser extraditado.
Mas não pode sofrer maus tratos.
Responder
+5 # 80 plateaux 02-09-2020 20:24
350 milhões de dólares?
Se isso é que está em causa, o sr Trump é mais corrupto do que o sr Alex Saab.
Até mesmo em cabo verde, os 80 plateaux de facatruas e roubos à Camara Muncicipal e ao Estado depassam esse valor montante.
Responder
-9 # José Sócrates Lopes 02-09-2020 19:56
Eu que este jornal faz um ótimo trabalho: ser porta-voz e defensor de um criminoso presumível.
Responder