Pub

Annan 696x385

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, considerou este sábado que, pelo seu percurso, o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, dignificou o continente africano, numa reacção à notícia da morte de Annan, na Suíça, aos 80 anos.

Jorge Carlos Fonseca, que falava em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, lembrou que Kofi Annan fez dois mandatos à frente da mais alta instância internacional, onde trabalhou “em prol da paz no mundo, da liberdade” e foi, sobretudo, “um grande defensor” de uma ordem internacional “mais justa e mais equitativa a todos níveis”, nomeadamente do ponto de vista económico.

“Não terá conseguido resultados totalmente satisfatórios do seu trabalho, mas creio que quando se olhar para trás o Kofi Annan é visto como um titular de iniciativas, de reformas sérias nas Nações Unidas e que prosseguem o seu curso neste momento,” referiu Fonseca.

Segundo o Presidente da República a morte de Kofi Anan é uma “grande perda” para o mundo porque ele esteve ligado a “dossiês importantes” como o do Iraque e o da Síria, este último que continua a ser “muito actual”.

Lembrou também que na esfera da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) Kofi Anan teve um “papel determinante” para uma resolução do dossiê “político e complexo” de Timor Leste.

Conforme Jorge Carlos Fonseca, Kofi Anan teve um “vasto percurso político diplomático e técnico”, porque depois de deixar a liderança das Nações Unidas ele integrou instituições internacionais ligadas sobretudo à promoção da paz, ao combate a violência em África, à promoção e difusão dos direitos fundamentais do homem.

“A defesa de uma ordem mundial mais justa, a questão da violência em África e as violações dos direitos humanos eram temas que estavam no centro das preocupações de Koffi Anan”, sustentou o Presidente da República.

O antigo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e prémio Nobel da Paz de 2001, Kofi Annan, morreu aos 80 anos, divulgou hoje a fundação do antigo diplomata.

“É com grande tristeza que a família Annan e a Fundação Kofi Annan anunciam que o ex-secretário-geral das Nações Unidas e vencedor do prémio Nobel da Paz morreu pacificamente no sábado, 18 de Agosto, após uma curta doença”, publicou a fundação do ex-diplomata ganês num comunicado, divulgado pela agência de notícias AFP.

Kofi Annan, que fez a sua carreira profissional nas Nações Unidas, cumpriu dois mandatos como secretário-geral da ONU, entre 01 de Janeiro de 1997 a 31 de dezembro de 2006.

Com Inforpress

Comentar