Pub

francisco carvalho

1. Há um ponto de partida que exige urgência em ser sublinhado: todos os atores políticos de verdade que desempenham cargos ou funções em partidos políticos têm de tomar consciência - uma vez por todas - de que nunca na história da humanidade os políticos, a política e os partidos políticos - e logo, a própria democracia - estiveram debaixo de tanto perigo, tanta ameaça de desvalorização e até o próprio risco de desaparecimento;

2. São vários os fatores que fazem parte desse feixe de ameaças, mas a maior ameaça de todas é o populismo, na medida em que além do descrédito que provoca, contém certas ideias que são destruidoras da própria política, partidos políticos e políticos, uma vez que a essência dos populistas é a assunção de posições apenas para, aparentemente, agradar o povo. O populismo tem como base mentiras, suposições de conveniência, mitos e manipulações descaradas - relevando a verdade para o último plano, ou seja, como aquilo que menos interessa!

3. É imperioso sublinhar também que o populismo tem vindo a favorecer largamente os partidos da direita e extrema direita. Daí a gravidade da não tomada de consciência deste facto por parte de atores políticos de partidos de esquerda que, por vezes e pior ainda, embarcam também em posicionamentos populistas, transportando-os para o interior dos seus próprios partidos;

4. É o caso do novo argumento de voto em "nome da minha ilha" assumido por deputados da nação! Se recuarmos a março de 2016, lembrar-nos-emos, facilmente, de que há um partido que ganhou as eleições legislativas desse ano com a ideia mais populista vista até então nestas ilhas, a ideia "meu partido é Cabo Verde". Foi deste modo que um partido recorreu ao populismo para ganhar as eleições. Se isso é totalmente condenável, numa disputa com outros partidos, é ainda muito pior quando o populismo está dentro do partido, em que se chega ao ponto de se invocar a razão "minha ilha" para se votar contra o próprio partido nas listas do qual se foi eleito;

5. Então, o que há de comum entre as ideias: "Meu partido é Cabo Verde" e "Meu partido é a minha ilha"? Apenas populismo para agradar o povo. É a capitulação política perante aquelas ideias de que o partido está atrás e em baixo, de que não se é fanático no partido e que se pensa pela própria cabeça. Ideias muito apreciadas entre aqueles que não distinguem nenhum partido político de outro. O problema é que todas estas ideias foram criadas por mentes que estão fora de partidos políticos, mas tendo apenas como estratégia acabar com os partidos e nunca melhorá-los. Calhou com políticos no ativo que não entenderam isso e adotaram essas ideias para si mesmos, só que dentro do partido. Se tivessem adotado essas ideias fora do partido, não haveria problema nenhum;

6. Mas, o mais preocupante de tudo é sermos confrontados com políticos que aceitaram fazer parte de uma lista, subscrevendo um programa eleitoral e, hoje, depois de chegarem ao Parlamento, virem alegar "liberdade de consciência" para votar contra o que se tinha aceite logo à partida: ser parte de uma equipa e de uma bancada una. Pior ainda, quando a votação é sobre uma matéria em relação à qual o próprio partido tem uma proposta concreta e já entregue no Parlamento Nacional e, portanto, à espera de agendamento para debate e votação também. Passamos a ter políticos que votam numa proposta para certas ilhas, em detrimento de uma proposta nacional, e estando na condição de deputados de partidos da Nação?

7. Poderá um Deputado da Nação invocar uma questão de "consciência pessoal" e esquecer-se de que está em representação do povo no seu todo? Um deputado ao categorizar uma questão como sendo de consciência, não deveria – imediatamente – defender que essa questão fosse submetida à avaliação do povo que ele apenas e somente representa, mas não substitui? Como entregar uma "questão de consciência" nas mãos de 0,01% de caboverdeanos deputados para decidirem pelos 531.239 habitantes do país?

8. Mas, antes de mais, é preciso sublinhar que a regionalização, afinal, não é uma "questão de consciência" como o são, por exemplo, o aborto, a eutanásia ou o casamento homossexual. Se é assim tão de consciência que ninguém se ache acima do povo e devolva então ao povo para decidir de forma direta, sem intermediários, através de um referendo popular;

9. Se a decisão de voto passa a ser de acordo com a vontade individual de cada deputado, estaremos a caminhar para uma espécie de "consciência a la carte", pondo-se fim à previsibilidade do Grupo Parlamentar e à própria matriz ideológica e Programa Eleitoral que dão enquadramento à atuação do Grupo Parlamentar, uma vez que cada deputado poderá votar como bem entender – é o fim da condição de militante e de qualquer pedagogia!

10. Por tudo isso, como aponta, José Casimiro de Pina, a partir do momento em que se assume que o partido adversário tem a melhor proposta e a melhor opção política sobre matéria que se considera tão fundamental para o país, a verdade é que já não se pode ficar apenas pelo voto contra. Esta decisão de voto contra exige que se seja, no mínimo, consequente!

Comentários  

+5 # Atlovir 09-11-2018 04:58
Meis parabens sr. Francisco Carvalho pela forma como escreve e maïs uma vez obrigado pela enorme capacidade analistica. Ao mesmo tempo concordo plenamente com o referido analise e em particularmente no em baixo. Falaste e disseste e ponto final...!
9. Se a decisão de voto passa a ser de acordo com a vontade individual de cada de[censurado]do, estaremos a caminhar para uma espécie de "consciência a la carte", pondo-se fim à previsibilidade do Grupo Parlamentar e à própria matriz ideológica e Programa Eleitoral que dão enquadramento à atuação do Grupo Parlamentar, uma vez que cada de[censurado]do poderá votar como bem entender – é o fim da condição de militante e de qualquer pedagogia!
Responder
+5 # Atlovir 09-11-2018 04:48
Parabens sr. Francisco Carvalho!
Mais uma vez com uma enorme capacidade de analise e ponto final.
... tanbem concordo plenamente:

9. Se a decisão de voto passa a ser de acordo com a vontade individual de cada de[censurado]do, estaremos a caminhar para uma espécie de "consciência a la carte", pondo-se fim à previsibilidade do Grupo Parlamentar e à própria matriz ideológica e Programa Eleitoral que dão enquadramento à atuação do Grupo Parlamentar, uma vez que cada de[censurado]do poderá votar como bem entender – é o fim da condição de militante e de qualquer pedagogia!
Responder
+6 # Carlos Carvalho 08-11-2018 17:43
Antes eu diria "Quem sou eu para julgar o FILU"? Acho que isso reflete um profundo mal-entendido sobre o que é a nação Cabo-Verdiana. A nação Cabo-Verdiana e toda a sua história é a da razão, dos argumentos, que superaram a sua não viabilidade pós colonial e me afeta muito, profundamente, o que somos como cidadãos livres, que somos cidadãos autônomos e responsáveis. Porque raciocinamos, porque argumentamos e que somos iguais, então digo isso:

FILU é o homem que é desacreditado hoje e acabou por ficar inútil...de jovem lobo afamado passou a ser um velho elefante fossilizado e AMARGO.
Porque eu compartilho a ambição de promover diagnósticos compartilhados, porque eu acredito que o desenvolvimento social dos territórios e das regiões cabo-Verdiana depende de processos coletivos e concertados, construímos coletivamente recursos pedagógicos e sociológicos para os atores no terreno.
FILU passa a mão..
E termino por um abraço fraterno e cheio de carinho ao meu querido Francisco Carvalho.
Responder
-8 # João Mario 06-11-2018 14:43
"Cabeça é senhor do corpo", velho ditado do Interior de Santiago. O Paicv persegue, escorraça e enxovalha os de[censurado]dos que votaram em consciência em favor de uma determinada proposta, mas este cidadão (sem cabeça, presumidamente) escreve uma lista de besteirol e acha que o MpD é de populista de esquerda. Se MpD é de esquerda, Paicv é Bloco-Esquerda. Tenha dó, Tchico!
Responder
+6 # Francisco Avelino Vi 06-11-2018 15:24
Acho que o João Mário precisa de apoio. Onde no texto viu que o "MPD é partido de esquerda"? O João Mário nem sabe a mão do seu partido!
Responder
+7 # Luís Mendes ravares 06-11-2018 08:39
Uma boa análise que permite uma reflexão para os militantes de PAICV. A situação que aconteceu na passada vem sendo desde a eleição interna de partido quando Filu perdeu a presidência do partido. A partir dessa data que ele vem instigando a desobediência a presidente. Em 2016 fez campanha contra o partido que deu o resultado que todos nós conhecemos.
Responder
+9 # Meno 05-11-2018 20:49
Bravo! Os de[censurado]dos visados terão que justificar um dia de tanta palhaçada ao ponto de o mpd fazer festa com tchitcharinho. Tudo esse problema e o Sr. Filu que nao querendo aceitar a ser comandado por uma jovem mulher tenta justificar tudo com palhaçada que envergonha qualquer político.
Responder