Pub
Por: Samilo Moreira

SAMILO

O Modelo Económico, Político e Social Desenhado e Implementado, o Empreendedorismo Privado à Custa do Estado, e a Formação de Elites em Cabo-verde

O pleno emprego depende do crescimento, e , é dos principais objectivos económicos de qualquer Governo.

O crescimento deriva-se fundamentalmente da produção e de rendimentos. Para isso , é preciso investimento público e privado (de preferência e em maior percentagem ).

Quando se fala em crescimento do PIB devemos questionar a sua composição . A descriminação de todas as classes que a compõe permite-nos não cair na ilusão no longo prazo.

No entanto, o crescimento do nosso PIB tem tido grande suporte num modelo encapotado, à custa do investimento público, vulgarmente classificado como “crédito à Economia” para a dinamização do sector privado.

A dívida de um Pais advém de défices Orçamentais- das políticas públicas implementadas e dos défices comercias( a nossa balança só pode ser invertida com muita peripécia).

Mas, é preciso o uso coordenado, transparente e profissional dos instrumentos, e das reformas estruturais -Justiça, Transparência Pública e Reforma da Lei eleitoral etc, em particular, que passados 40 anos têm sido insuficientes, inclusive oportunidades perdidas em 1990, 2000 e 2016.

Esses défices estruturais que não estão resolvidos, resultam também em crónico taxa de desemprego; como tem sido até agora.

Os resultados dos 130% de divida pública oficial, sem contar com os empréstimos contraídos, as dividas das empresas públicas, os avais/ garantias/cartas de conforto  do estado as empresas privadas etc., que ninguém consegue explicar em que se baseia e por quê, demonstra claramente a forma como a nossa Economia foi desenhada (ou não ) e é conduzida.

Não entendo o porquê do Governo que se intitula Liberal e quer privatizar tudo( inclusive empresas pública lucrativas ) por questões ideológicas ( na palavra do Sr. Primeiro-ministro Ulisses C. Silva), querer substituir os Bancos Nacionais e a Bolsa de Valores em . questões de financiamentos.

Devemos perguntar : qual é a utilidade da Bolsa de Valores para o mercado nacional( muitas das Obrigações dos privados em dificuldades ou tecnicamente falidas foram compradas pelo Estado)?

A recente noticia de que o Governo vai servir de fiador/garantia ( mais uma vez) através da “ carta de conforto” confidencial (mais uma vez) de 60 Milhões de euros para o negócio de Barco da empresa Moura Company, põe a vista (mais uma vez), como tem sido a dinamização do Empreendedorismo em Cabo-verde , e a ausência da separação do público-privado -partidário. Esse modelo de negócio; semelhante a da CVFF, tem sido um dos principais métodos utilizados para se falar na dinamização do sector privado em Cabo-verde.

Para além da preocupante questão do concurso para a monopolização de um sector estratégico que é o marítimo, esse favorecimento a Moura Company, acaba levantando sérias dúvidas , e põe em causa até a credibilidade do concurso, tal é o sistema à TACV-Binter-Icelandair-Gualberto de Rosário e Companhia Lda.

O Governo injectou 600 mil contos do INPS no Afreximbank , que depois veio a financiar certas empresas privadas nacionais na mesma linha que da Moura Company.

Essa absorção por parte do Estado, da dívida e do risco de empresas privadas ; muitas falidas, outras ainda por nascer , tem . sido a forma encontrada de financiamento, uma vez que no Mercado Interno e Externo, sem o aval/garantia etc, do Estado muito dificilmente conseguirão financiamentos, por que, ou são negócios de altíssimos riscos ( e não têm activos suficientes ou não dão garantias patrimoniais pessoais) ou são inviáveis ao nível económico e financeiro.

A nossa economia pode ser classificada; com acoplagem política, de Corporativa com ênfase na alocação dos parcos recursos do Estado a um determinado grupo, sequer produtivo.

A actual metástase  do País- desemprego real obsceno, violência, coerção institucional, justiça banal, decadência social de nobres valores, má distribuição de riqueza; derivada da corrupção crónica da classe política -empresarial etc, não está desassociada dessa cultura de negócio, entranhada de forma transversal nos partidos políticos, e em algumas das suas principais figuras.

A ” Sócratelização Portuguesa ” da nossa classe política desde 1990, é tão evidente e banal (inclusive a exibição descarada das suas fortunas e vida opulenta)   que já roça o ridículo.

Os nossos governantes( com raríssimas excepções ) e políticos têm sido ao mesmo tempo “empreendedores”; não das causas sociais, mas sim daqueles que mais cedo ou mais tarde serão uma garantia financeira ou societário.

Mas, seja qual for o desfecho do País ou do regime vigente ,   os patrimónios pessoais da classe política estão preservados, por que houve mudanças de políticos e de políticas extractivas nos últimos 28 anos, mas nunca reformas que fomentam a criação de Riquezas.

Tivemos e temos políticos e chefes mais preocupados em desenhar o Modelo de Controlo e Imposição do Padrão Comportamental dos Cidadãos , do que educa-los a serem livres e críticos.

Temos um sistema de coerção Estatal inspirado no “modelo comunista ” , transvertido em Democracia eleitoral, onde seres execráveis são mantidos no front office e telecomandados no back office , por seres ainda piores.

Precisamos seriamente que as decisões arbitrárias , conscientes e ilícitas do Governo Central ou das Autarquias , tomadas sem quaisquer receios ; derivada do controlo sobre os meios essenciais da Democracia, sejam invertidas.

Precisamos de Revolta, não de Revolução.

Precisamos de uma “desobediência civil ”- por que o alheamento eleitoral não é a solução.

Precisamos Resgatar o Nosso País.

Comentários  

0 # Vindo Nha Tuta 26-09-2018 15:52
Valeu Sami. Muito bem escrito e com coragem. Continue a fazer a nossa podre elite entender a sua gloria besta semelhante a orquestra do titanic . Não se esqueça também que o PAICV fez uma das revisões do código laboral das mais sangrentas e corrosivas do direito trabalhista que mais parece um partido neoliberal.
Não basta dizer que são da esquerda. Pois a melhor maneira de dizer é fazer. Abraço
Responder
-1 # apartidário 27-08-2018 09:12
Boa análise Samilo!

Mas contudo penso que essa tal "coerção Estatal inspirada no "modelo comunista"" não é nada diferente da coerção estatal inspirada no "modelo fascista de direita" ampliamente aplicada actualmente (Brasil por exemplo).
E por fim creio, que pelo andar da carroça, necessitamos revolução e não revolta.

Um abraço!
Responder