Pub
Por: DRC

O contrato de compra e venda enviado ao parlamento no dia 5 de março de 2019, pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, diz que existe um valor de 48.418.298$00 que devia ser pago ao governo de Cabo Verde até 31 de dezembro de 2019. O ministro do Estado e dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, nega a existência de tal montante. Quem está a mentir? O contrato ou o ministro?

fernando elisio

Ontem, 11 de novembro, Cabo Verde assistiu uma cena terrível entre o ministro do Estado e dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire e o líder da bancada parlamentar do PAICV, Rui Semedo, quando se discutia o processo de privatização da Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV). Rui Semedo questionou Fernando Elísio Freire sobre o paradeiro do montante de 48.418.298$00, que no dia 31 dezembro de 2019 os islandeses deviam pagar ao governo de Cabo Verde, como contrapartida financeira pela venda da referida companhia aérea, nos termos do contrato de compra e venda firmado entre as partes.

E qual não foi o espanto geral, quando o ilustríssimo ministro do Estado disse simplesmente que o governo não pode responder por algo inexistente. Disse e repetiu várias vezes que tal montante não existe e que tudo não passa de boato da oposição.

É terrível que entidades com elevadas funções no aparelho do Estado tratem com desprezo e zombaria dossiers tão importantes, como é caso da venda da TACV, uma empresa estratégica no processo de desenvolvimento de Cabo Verde.

nota cobertura

contrato TACV

Ora, o contrato de compra e venda firmado no dia 1 de março de 2019, entre o governo de Cabo Verde e a Loftleidir Cabo Verde, no âmbito da privatização da TACV, estabelece como preço de compra o montante de 1.318.102,5 euros, correspondente a 145.333.981$00.

Desse montante, 878.735 euros, correspondente a 96.889.321$00, seriam pagos através da liquidação integral da dívida do governo para com a Loftleidir Cabo Verde, dívida essa relacionada com a implementação de um acordo de gestão, que foi uma espécie de preparação da companhia para a privatização, firmada entre as partes, em finais de 2017 inícios de 2018.

Assim, ficaria um saldo de 439.367,5 euros, correspondente a 48.444.660$00, que deveria ser liquidado até 31 de dezembro de 2019.

É o paradeiro desse dinheiro, passados 11 meses sobre o prazo do pagamento, que o ministro do Estado foi desafiado a informar ao país. Nada mais do que isso. E Fernando Elísio simplesmente nega a existência desse dinheiro, desse compromisso, dessa dívida.

E é terrível para a sanidade e o equilíbrio emocionais da nação as afirmações do ministro do Estado sobre esta matéria.

Efetivamente, há muito que o parlamento cabo-verdiano se transformou numa casa de escárnio e mal dizer, mas o que aconteceu ontem derrubou todos os princípios de uma sociedade que se pretende democrática e defensora do bem comum.

A nação tem o direito de conhecer os destinos que são dados aos recursos públicos. Não é por acaso que o orçamento do Estado é uma lei aprovada pelo parlamento. Decididamente, a posição do ministro Fernando Elísio Freire é inadmissível numa democracia.

O contrato de compra e venda enviado ao parlamento no dia 5 de março de 2019, pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, diz que existe um valor de 48.418.298$00 que devia ser pago ao governo de Cabo Verde até 31 de dezembro de 2019. O ministro do Estado e dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, nega a existência de tal montante. Quem está a mentir? O contrato ou o ministro?

Comentários  

+1 # Marta Costa 15-11-2020 09:09
Ministro que mentem... ministros mentirosos... tamos a deixar. Tamos a deixar junto com o seu governo.
Responder
+3 # Benvindo Rocha 13-11-2020 21:04
Mas por onde anda o Ministério Publico?
É da competência do Procurador Geral da República Mandar investigar em defesa publica os interesses do estado (do Povo).
Responder
+3 # Jota 13-11-2020 20:39
Es Governo caba ku TACV, ku AAC e tudo kuza dretu ki tinha na aviação de CV.
Responder
+4 # Mesti sabedu 13-11-2020 11:54
Elisio freire, olavo correia ulisses e pa fla na pundi ki bai kel 48 mil conto.
Eh kela ki povu mesti sabi
Pq
Responder
+3 # Maria Auxilia Forted 13-11-2020 10:16
Entao esse porta voz do MPD rotulado de BMP quer continuar a tratar os Caboverdianos de otarios? Se a nossa TACV nao tinha activos ou seja nao valia nada, como e que o Governo pagou a empresa Loftleidir o montante correspondente a 96.889.321$00 para gerir /preparar esse "nada" para a privatizacao. Se esta fase durasse mais um pouquinho os misers 48.000.000$00 tambem iriam para o pagamento da empresa desses genios Islanseses?
Responder
0 # Colundjul51net@hotm 12-11-2020 21:21
Na Guine Bissau tb é assim ó Elisio... né
Responder
0 # BMP 12-11-2020 20:24
Então vamos lá ver as contas.

O Governo vendeu 51% da TACV por 145 mil contos certo?

Podemos perguntar qual é o activo da empresa?

Mas seca Icelandair não ficou com direito sobre os aviões (que não existiam), não ficou com imóveis, ou seja os edifícios em CV, escritórios em Lx, em plena Avenida da Liberdade, nem o de Dakar, de Boston e eventualmente os de noutras cidades, Então o que é que foi vendido?

Só pode ser o negócio, ou seja a licença e com muito esforço até podemos dizer também a marca TACV se é que vale alguma coisa.

E pelos vistos não vale nada, tanto mais que a empresa passou a usar a marca CVA.

A única certeza absoluta que todos temos é a de que o Governo vendeu a garantia de emprego e pagamento de salários aos 300 chefes de família empregados da TACV.

Não sejam míopes !

Não é preciso ser expert de coisa nenhuma para perceber e concordar de que todos os cabo-verdianos deviam tirar o chapéu a este Governo pela solução encontrada para a TACV.

Não sejam tontos. Se o Governo não viabilizar a obtenção de dinheiro junto do Banco para pagamentos dos salários o que seria dessas centenas de famílias? Ficavam sem salários? Como obrigar Icelandair a pagar salários se o grupo já está a caminho da falência?

Então o que dizer dos mais de 3 milhões de contos avalizados pelo Governo as empresas cabo-verdianas para também pagarem os salários dos seus trabalhadores?

Que garantias remos de que essas empresas não irão à falência e seremos nós os contribuintes a pagar esses 3 milhões de contos?
Responder
0 # Alécio Romão 17-11-2020 20:11
BMP! E dos 48 milhões nada foi dito! Lançou muita poeira, deu mil voltas e fugiu em frente, com o Sr Rabo à Sra seringa! Tirar o chapéu a quem? Porquê? então não se vendeu negócio nenhum, se bem entendemos, a fazer fé em sua palavras, porque afinal, não há dinheiro nenhum pago a comprovar isso... E tudo não passa de histeria colectiva? Ainda nos lembramos quando o SR UCS foi questionado sobre os moldes do negócio e respondeu que "oportunísticamente" os caboverdeanos seriam esclarecidos sobre isso. Falta-nos saber se "Oportunísticamente" quer dizer antes ou depois de morrermos todos. E os 12 milhões de euros alocados à iceladair? (ou é à CVA?, já que à TACV certamente não foi) Solução encontrada para a TACV? Que solução, quando o problema só há poudo começou? Julgam que vão fazer toda a gente de parvo durante o tempo todo? De todas as legislaturas, este é o mais corrupto governo que Cabo Verde já teve, a todos os níveis! De Municipal a Central! E acreditamos que o seu próprio eleitorado, que esteve a dormir até agora, já começou a abrir os olhos, para desespero de seus algozes!
Responder
-1 # Badio Branco 14-11-2020 11:21
O BMP (Bajulador Mal Preparado) disse:
"A única certeza absoluta que todos temos é a de que o governo vendeu a garantia de emprego e pagamento dos salários aos 300 chefes de família empregados da TACV."

A minha pergunta: a empresa que comprou está a honrar essa garantia "vendida"??!!!
Responder
+1 # Burro esperto 13-11-2020 10:30
Senhor BMP. Se empresa la ka tem ativo tangivel entao kes avales la ka tem cobertura na empresa e é Estado que ta bem executado hora kes ka cumpri ses obrigaçoes. Pena go. Porque icelandair nunca ka tapoi ativo na kel empresa la pmd es é esperto e djes sabi ma kel empresa la é um furada. Tenham decencia.
Responder
+3 # SÓCRATES DE SANTIAGO 12-11-2020 18:18
Muito sinceramente, tenho andado, por eses dias, com muita dúvida sobre se temos GOVERNO em Cabo Verde. Efectivamente, O COISO que no nosso País responde pelo GOVERNO são uma CAMBADA DE PALHAÇOS fingindo governar, PALHAÇOS ESSES encabeçados por DOIS COMEDIANTES- MOR que são- ULISSES CORREIA E SILVA e OLAVO CORREIA. O nosso povo até, brincando, já os chama de PALHAÇOS VERDES. Vide, por exemplo, como o PALHAÇO VERDE ELISIO FREIRE tem mentido, hoje, no Parlamento, quando confrontado com a quantia de 48 mil contos que os islandeses nos devem pela compra da nossa empresa TACV.
Responder
+2 # CASIMIRO CENTEIO 12-11-2020 16:42
A resposta é muito simples: os 48.418.298$00 tiveram o mesmo destino do seu irmão 2 milhões de dólares da ENACOL. Esses corruptos, há muito que deviam estar a fazer tijolos atrás das grades. Casos desta natureza só se verificam num país como Cabo Verde e noutros em que a corrupção é praticamente institucionalizada !
Responder
+1 # Alfredo Gonçalves 12-11-2020 14:34
An tá concheh dr Elísio freire nas oh menus bem. An opodeh garanti nhozi. El é pior que dupla mafiosa Olavo/Ulisses.
Responder
+4 # Josécamporta 12-11-2020 11:28
É mesmi triste ouvir um membro dogoverno a mentir dessa forma. Ou ele nao entende nada da matéria ou siplesmente quer tratae os caboverdeanos de otarios como eles. O governo deve assumir que ja falhou neste nogócio e cntar a verdade ao povo. Já agora queremos saber do paradeiro do nosso dinheiro seus ladroes.
Responder
+2 # JpB 12-11-2020 11:22
Aquando da privatização da TACV, o Miguelito encheu os pulmões e gritou que o PAICV passou 15 anos a tentar e não conseguiu, por incompetência e que o MPD em três anos conseguiu e que em menos de um ano a companhia teria onze Boeing.
Um VENDEDOR DE LORO FEDI, faria melhor negócio da TACV do que o governo e com a absoluta transparência.
Responder
0 # A.Barbosa 12-11-2020 13:43
kkkkkkkkkkkk
11,5 aviões, diga-se...!
Responder
+2 # Revoltado 12-11-2020 10:25
Já é demais. O Sr. Procurador-geral está obrigado a demitir-se, imediatamente, ou a propor, já, a prisão preventiva aos delapidadores dos bens públicos.
Isto já não é furto, nem desvio como se diz suavemente na gíria governativa. Isto é assalto ou caço-bode com extrema violência.
[censurado], pah. A Câmara da Praia cedeu os seus terrenos aos amigos e voltou a compra-los, sem consequências. Estou tão nervoso, pelo que fico por aqui
Responder
+2 # Terra terra 12-11-2020 10:12
Essa privatizacao dos TACV cheira-me a ENACOl-GATE. So que desta vez o Presidente da Republica e outro e, como tal, nao falara nada!
Queria alertar a Joana Rosa e ao Antonio Monteiro que se diz companhia e nao compainha (esta palavra nao existe).
So me da vontade de rir ouvir as intervencoes "polivalentes" do casal baboseiras! Kkk
Responder